sexta-feira, 9 de julho de 2010

A Paz da Minha Paz

Eu corro, mas a paz me chama. Invade-me aos poucos e convida-me de um jeito irresistível a ficar junto. Eu tento um argumento, mas ela é teimosa, não aceita, não arreda pé. Amiga íntima da vida que passa e que sabe o que há de melhor, me convence. Eu entrego a minha alma, então. Ela fica satisfeita e me alegra de um jeito doce. O suspiro carrega o vento, a tarde cai ao nosso alcance.

Por Natália Oliveira

3 comentários:

Renato Marques disse...

Tu! ó paz,
que edificas assaz!
faz da minha vida
um porto sem cais.

(rs)

Rose Cianci disse...

Que liiiiinnndooo!!!
Eu quero esta paz me invadindo aos poucos...
bjus.

Daniel Savio disse...

A paz vive em nós, bem como vivemos sempre atrás dela...

Fique com Deus, menina Natália Oliveira.
Um abraço.