quarta-feira, 14 de julho de 2010

Veludo

Se poderei voltar a sonhar, deixo a resposta ao futuro. Estou feliz por ter conhecido pessoas como a Vã, a Michele e agora você. É uma realidade surpreendente a essa altura da vida. Ou um milagre, como você prefere. Não há mais amargura em mim.

Numa destas trombadas de calçadas apertadas seu coração derrubou tudo que guardava. De precioso, recolhi os sentimentos numa caixa de madeira, encapada a veludo. Lá dentro misturou tudo, o mais bonito com o mais vivido, no final das contas era um infinito só!

Por Alvaro Vianna e Natália Oliveira

5 comentários:

Alvaro Vianna disse...

Tocante, Natália. Gostei muito. Uma comunhão, palavra que gosto muito, de ideias e sentimentos.

Beijos de amizade aveludados.

Natália disse...

=)

Uma felicidade!

Beijos,

Rose Cianci disse...

Eu também estou muuuuiiiittoo feliz por ter conhecido pessoas como você, Naty... rs., pessoa aveludada!

Daniel Savio disse...

Homenagem bonita, mas para quem?

Fique com Deus, menina Natália Oliveira.
Um abraço.

Pensamento aqui é Documento disse...

Rô, querida,

nossos sentimentos são recíprocos! =D. Sorte a minha de conhecer você.

-

Dany,

pro Álvaro querido, dono do Quase Definitivo, um dos meus favoritos, conhece? http://quasedefinitivo2.blogspot.com/

-

Beijos