sexta-feira, 16 de julho de 2010

À Dona dos Cachos Dourados

Você tem uma mania horrorosa de me olhar com olhos de lupa. Sempre me fazendo maior, mais competente, mais generosa, mais tudo de nada que sou. É uma mania insistente de potencializar qualquer momento bom em realmente muito bom. E claro que com bombom fica melhor ainda, porque você pode colá-los nos dentes e rir de todos os estereótipos de beleza que insistem em te convencer que o bonito é ser o tal do tipo ideal. Ah, com você não. O bonito para você se mede no tamanho do coração e isto ninguém pode ver e nem é uma lógica fácil de entender.
Na verdade, fácil de entender você nem sempre é. Ora ri com o estômago, ora chora com as tripas de fora. Intensa como a vida deve ser? Não sei, mas ser com você, já que é para ser, que seja direito! Você é!De pijama e tudo, no mar. De pés sem sapatos, de molequice em baixo do braço, de lordose e unhas roídas, mas de verdade! Com verdade transparente! Quem vê você, vê você. Frente e verso, fora e dentro dá no mesmo. E por falar nisto, injustiças fora, transformações dentro, assim é você.
Você de cabelos de criança, de olhos vivos e de um desejo meu. Se eu fosse mago a transformaria num cristal para apresentar para todo mundo um pedaço meu, o pedaço cristalino meu. Você não me explica, mas eu sei que é a sua doce essência que dilata os seus olhos quando olha o jeito meu. Você, minha amiga, minha parte, minha criança bonita. À minha Flávia, a menina de cachos dourados, a minha.

Por Natália Oliveira

13 comentários:

Poemado disse...

Um texto digno à dona dos cachos dourados!!

Alvaro Vianna disse...

Posso mandar um abraço para essa maravilha de Flávia?

Beijo pra você

Daniel Savio disse...

Sabe, só quem ama realmente que se prede as qualidades, pois todo o resto acaba sendo menor que a perfeição qua acabamos vivendo...

Fique com Deus, menina Natália Oliveira.
Um abraço.

Pensamento aqui é Documento disse...

Tenho razão, né Rê?

-

Claro que pode! Os olhos dela sempre passeiam por aqui, tenho certeza que ela adoraria receber. Outro segredo: ela adora amigos (as) de amigos (as).

-

Exato, Dan!

-

Beiijoos

Poemado disse...

(...)

Poemado disse...

Flávia:

Do latim "louro, cor de ouro".

O nome não foi escolhido à toa, afinal... até nisso ela merece ser admirada.

Adoro-te, Flá!!!

Pensamento aqui é Documento disse...

Exato!

Dona dos cachos e do coração dourado!

=D

Beijos

Flávia Vasconcelos disse...

Olá pessoal, eu sou a Flávia! rs

Já agradeci muitas vezes a Natália, por esse "lindo presente", afinal ser inspiração de um texto para uma grande jornalista, grande escritora e acima de tudo amiga, é um grande privilégio.

Agradeço à todos pelo carinho, estampado nessas frases acolhedoras!

Saibam que eu não mereço tanto, sou só humana e como tal, adoro gente!

Fiquem com Deus!

Abraços com carinho =D

Flá (A dona dos cachos que ultimamente tem preferido uma chapinha)! rs

Natália disse...

E eis que surge Flá, minha inspiração. Vejam ela. "afinal ser inspiração de um texto para uma grande jornalista, grande escritora..." Eu posso com isto? tsc, tsc, tsc..

Se eu não te amasse tanto assim, em? Ia acabar me achando, rs.

Seu coração é lindo, minha Flá!

Sena do Aragão disse...

Minha querida e amiga Natália!
Obrigado por teus comentários e incentivos.
As vezes me surge comentar coisas que passam despercebidas. E assim vou tentando. Mas daqui, deste blog, onde vais contruindo um mundo, uma cena, um episódio, com letras, é que me vem muitas das minhas inspirações.
Sim, você escreve bem. Bonito, com leveza e com uma facilidade inorme.

Beijos

Natália disse...

Sena, querido!

Você foi uma surpresa muito boa, um tesouro escondido! Incentivo porque vejo muito talento em você, me deliciei com seu último conto. O fez muito bem! Deu até vontade de participar do jantar, da casinha!
=D

E é maravilhosa esta troca, aprendo com você e você é paciente comigo! =D

Um beijo, querido!

Poemado disse...

"Mas tu tens cabelos dourados. O trigo que é dourado, fará com que eu me lembre de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo..."

Daniele Berdusco disse...

Flávia, Flávia.

Até aperta quando fico muito tempo sem ver o chocolate grudado nos dentes, a menina que tem o coração bem maior do que diferença de altura entre eu e ela...

Saudade dos cachos dourados.
E da dona do texto então...