quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Pode?

Se a gente soubesse que tudo é tão rápido.
Se a gente soubesse que tudo é tão raro.
Se a gente soubesse que a gente só tem uma.
Se a gente soubesse o verdadeiro “invalor”.
Se a gente soubesse que vale mais um sorriso.
Se a gente soubesse a dor do menino.
Se a gente pudesse inverter tudo.
Se alguém pudesse nos inverter.
Se a gente pudesse aprender com alegria.
Se a gente pudesse errar sem sofrer.
Se a gente pudesse fazer o que tem que fazer.
Se a gente pudesse realmente viver.
Se a gente pudesse não complicar.
Se a gente pudesse se entregar.
Se a gente pudesse parar de pensar que pensa.
Se a gente pudesse só fazer o que tem para fazer: viver.
Se a gente pudesse.
Se a gente desse.
Por Natália Oliveira

5 comentários:

sblogonoff café disse...

O pior (ou o melhor?) é que a gente pode.

sblogonoff café disse...

Se eu pudesse vir aqui e deixar apenas um comentário de duas linhas e ir embora, eu faria isso.
Até poucos minutos atras eu fiz isso aqui! Mas embora eu possa (!!!), isso me gera inquietação, então eu volto aqui pra dizer na contra mão uma frase do Chico, Xavier não, o Buarque: " a gente vai contra a corrente até não poder resistir, na volta do barco é que sente o quanto deixou de cumprir".
Bom,era isso!! Roda mundo! Roda gigante!

Sopro de Eves!

Natália disse...

Mi.

Adoro suas inquietações, rs.

É. Tem tudo a ver. A gente vai contra o sentido da vida, totalmente contra.

A gente vive como se não fosse morrer e morre com a sensação de não ter vivido nada.

É triste saber que, muitos de nós, para não dizer todos, desperdiçou milhares de minutos.

E mais desesperador entender que a gente só entende a essência da vida perto da morte.

"Devia ter..."

Salve Chico Buarque.

Salve suas colocações tão pertinentes.

Salve.

Daniel Savio disse...

Mas a gente pode, basta tentar...

Fique com Deus, menina Natália.
Um abraço.

Natália disse...

Dani.

Eu tento daqui, você tenta daí.

E logo mais gente tenta.

E fica todo mundo tentado a fazer um mundo melhor, rs.

Beiiijos